21 junho, 2011

Os Maias.

«Não se abandonar a uma esperança nem a um desapontamento. Tudo aceitar, o que vem e o que foge, com a tranquilidade com que se escolhem as naturais mudanças de dias agrestes e de dias suaves. E, nesta placidez, deixar esse pedaço de matéria organizada que se chama o EU ir-se deteriorando e decompondo até reentrar e se perder no infinito Universo... Sobretudo não ter apetites. E, mais que tudo, não ter contrariedades.»


E não é que nos Maias se aprende mesmo alguma coisa.

6 comentários:

  1. eu por acaso também gostei muito dos Maias, nunca pensei que pudesse ser tao interessante!

    ResponderEliminar
  2. realmente aprende-se alguma coisa Joana . :D
    ahah , adorei . :D

    ResponderEliminar
  3. *geral* desafio para ti no meu blog, fa-lo :)

    ResponderEliminar
  4. Não tive tempo para ler tudo, mas o que li gostei :P
    as pessoas é que gostam de achar que as obras são más (-.-)

    ResponderEliminar
  5. amei o texto, está mesmo lindo *

    passa pelo meu e segue me (:

    ResponderEliminar

Verdades .