03 maio, 2011

Pai.

Se pensarmos bem, todos nós temos pessoas na nossa vida que gostávamos que saíssem dela. Eu tenho-te a ti, um suposto exemplo a seguir por fazeres parte de mim desde sempre, mas não te sinto em mim, por todas as tuas falhas, por todas as vezes em que fiz por ti tudo o que podia e tu nunca agradeceste, por toda a atenção que te dei e tu não retribuíste, pelos dias em que o meu dia parecia estar a correr mal e tu nem ligas-te e ainda assim te amei como ninguém. Só me pergunto: se estás na minha vida desde que nasci, porque é que tu não evoluis? Porque é que não mudas juntamente com a vida? Eu não suporto imagens falsas, detesto ilusões e tu iludes o mundo com uma imagem que não é a tua! Se gostas da ideia que transmites a toda a gente porque é que não te tornas nessa pessoa? Pois é, essa pessoa não existe. Em ti, tudo o que existe é falso, és mentiroso compulsivo e perco a conta da quantidade de pessoas que ainda acreditam em ti e na tua mudança. Fico cansada de tentar explicar o que me fazes sentir mas és tão surreal que nem vale a pena, não dá e tento ter sempre em conta a típica frase: «tudo vale a pena quando a alma não é pequena». Não funciona assim contigo, já me esgotaste tanto e tão pouco que a minha alma apesar de ser enorme para mim, para ti já quase nem existe, tu de facto não vales a pena! "Nada é tão bom que não possa ter acontecido e nada é tão mau que não possa ser resolvido."

8 comentários:

Verdades .